News - Briefing de Mercado

Ibovespa deve manter queda reagindo a balanços de empresas
31/10/2012

31 de Outubro de 2012 14h06
Ana Rita Cunha

 

 

31/10 14:06 CMA (CMA)  Nr. 1313100190
(PER)
PERSPECTIVA: Ibovespa deve manter queda reagindo a balanços de empresas 
 
   São Paulo, 31 de outubro de 2012 - O Ibovespa opera em queda mais acentuada
do que o mercado internacional, recuperando volume de negociação com a
abertura das bolsas norte-americanas, que ficaram fechadas por dois durante a
passagem do furacão Sandy. Para o sócio da AZ Investimentos, Ricardo Zeno,
"em um dia com poucas notícias, os investidores ainda reagem aos balanços das
empresas que já foram divulgados". O pessimismo com os resultados da
Petrobras, de bancos e empresas de telecomunicações deve ditar o fechamento no
 campo negativo.
 
   Há pouco, o Ibovespa operava com queda de 1,11%, a 57.041 pontos. No
mercado futuro, o contrato do índice com vencimento em dezembro recuava 1,47%,
a 57.330 pontos. O volume da bolsa era de R$ 2,6 bilhões, mais de 70% do volume
 do fechamento de ontem.
 
   As ações do setor de Petróleo que impulsionaram na alta do Ibovespa no
pregão de ontem, diante da perspectiva de novo reajuste nos combustíveis,
operaram em queda. Entre os destaques, as ações preferenciais da Petrobras
(PETR4), as mais negociadas, desvalorizavam 2,64%, a R$ 20,96, e as ordinárias
(PETR3) caíam 3,04%, a R$ 21,62. Para Zeno, o resultado da Petrobras
decepcionou o mercado e estimulou uma saída do papel das carteiras de outubro,
que estão sendo elaboradas hoje.
 
   As ações das operadoras de telecomunicações também operam em queda no
pregão de hoje da BM&FBovespa, refletindo a repercussão negativa do balanço
trimestral da TIM, divulgado na noite de ontem, e contaminando o setor. "O
resultado [da TIM] não veio longe das nossas expectativas, mas alguns dados no
que diz respeito às receitas de serviços não agradaram muito", disse José
Cataldo, analista da Ágora Corretora. Segundo ele, o que afetou mais foi o
serviço de voz, que apresentou recuo. Há pouco, o papel da TIM (TIMP3)
registrava desvalorização de 3,42%, sendo negociado a R$ 7,05. As
preferenciais da Oi (OIBR4) apresentavam queda de 1,67%, a R$ 9,68. Os papéis
PN da Telefônica Brasil (VIVT4) apresentavam queda de 1,60%, a R$ 44,08.
 
   Na contramão da maioria das ações, operavam em alta as ordinárias da
Lojas Renner (LREN3; 3,22%, a R$ 75,15), reagindo ao resultado positivo
divulgado ontem. O lucro líquido da empresa subiu 20,9%, na comparação anual,
 reportando R$ 68,5 milhões, no terceiro trimestre.
 
   O economista da Magliano Corretora, Henrique Kleine destaca que, após o
fechamento do pregão de hoje, os investidores devem ficar atentos ao resultados
da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que pode reportar queda de até 94%
no lucro do terceiro trimestre, e do Pão de Açúcar, cujo lucro líquido deve
ter alta de 55%.
 
   No mercado internacional, os índice das bolsas norte-americanas operam em
queda. Há pouco, o Dow Jones caía 0,09%, a 13.095,62 pontos, o S&P 500 perdia
0,12%, a 1.410,31 pontos e o Nasdaq Composto recuava 0,51%, a 2.972,61 pontos.
Para o economista da Magliano, parte da queda refletia o resultado abaixo do
esperado do índice dos gerentes de compras de atividade industrial de Chicago
(PMI, na sigla em inglês), que subiu para 49,9 pontos em outubro, abaixo de 50
pontos, ainda mostrando retração da atividade econômica.
 
   Na Europa, a maioria das principais bolsas da Europa opera em alta, puxadas
pela divulgação de balanços positivos - em particular por companhias aéreas,
como a Lufthansa e a Air France-KLM. Apesar disso, dados fracos da economia
pesavam negativamente no continente. Zeno destaca a taxa de desemprego na
eurozona, que subiu para 11,6% em setembro, ante 11,5% em agosto, segundo a
agência de estatísticas Eurostat. Em setembro de 2011, a taxa estava em 10,3%.
 
   Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 operava em queda de 0,48%, a 5.821
pontos. O índice DAX-30, de Frankfurt, tinha avanço de 0,27%, a 7.304 pontos.
Em Paris, o CAC-40 recuava 0,06%, a 3.457 pontos. Na bolsa de Madri, o índice
Ibex-35 subia 0,45%, aos 7.869 pontos. Em Milão, o FTSE MIB avançava 0,84%,
para 15.651 pontos.
 
    Ana Rita Cunha / Agência CMA
 
    Edição: Laelya Longo
 
Copyright 2012 - Agência CMA
O Ibovespa opera em queda mais acentuada do que o mercado internacional, recuperando
volume de negociação com a abertura das bolsas norte-americanas, que ficaram fechadas por
dois durante a passagem do furacão Sandy. Para o sócio da AZ Investimentos, Ricardo Zeno,
"em um dia com poucas notícias, os investidores ainda reagem aos balanços das
empresas que já foram divulgados". O pessimismo com os resultados da
Petrobras, de bancos e empresas de telecomunicações deve ditar o fechamento no
 campo negativo.
 
Há pouco, o Ibovespa operava com queda de 1,11%, a 57.041 pontos. No
mercado futuro, o contrato do índice com vencimento em dezembro recuava 1,47%,
a 57.330 pontos. O volume da bolsa era de R$ 2,6 bilhões, mais de 70% do volume
 do fechamento de ontem.
 
As ações do setor de Petróleo que impulsionaram na alta do Ibovespa no
pregão de ontem, diante da perspectiva de novo reajuste nos combustíveis,
operaram em queda. Entre os destaques, as ações preferenciais da Petrobras
(PETR4), as mais negociadas, desvalorizavam 2,64%, a R$ 20,96, e as ordinárias
(PETR3) caíam 3,04%, a R$ 21,62. Para Zeno, o resultado da Petrobras
decepcionou o mercado e estimulou uma saída do papel das carteiras de outubro,
que estão sendo elaboradas hoje.
 
As ações das operadoras de telecomunicações também operam em queda no
pregão de hoje da BM&FBovespa, refletindo a repercussão negativa do balanço
trimestral da TIM, divulgado na noite de ontem, e contaminando o setor. "O
resultado [da TIM] não veio longe das nossas expectativas, mas alguns dados no
que diz respeito às receitas de serviços não agradaram muito", disse José
Cataldo, analista da Ágora Corretora. Segundo ele, o que afetou mais foi o
serviço de voz, que apresentou recuo. Há pouco, o papel da TIM (TIMP3)
registrava desvalorização de 3,42%, sendo negociado a R$ 7,05. As
preferenciais da Oi (OIBR4) apresentavam queda de 1,67%, a R$ 9,68. Os papéis
PN da Telefônica Brasil (VIVT4) apresentavam queda de 1,60%, a R$ 44,08.
 
Na contramão da maioria das ações, operavam em alta as ordinárias da
Lojas Renner (LREN3; 3,22%, a R$ 75,15), reagindo ao resultado positivo
divulgado ontem. O lucro líquido da empresa subiu 20,9%, na comparação anual,
 reportando R$ 68,5 milhões, no terceiro trimestre.
 
O economista da Magliano Corretora, Henrique Kleine destaca que, após o
fechamento do pregão de hoje, os investidores devem ficar atentos ao resultados
da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que pode reportar queda de até 94%
no lucro do terceiro trimestre, e do Pão de Açúcar, cujo lucro líquido deve
ter alta de 55%.
 
No mercado internacional, os índice das bolsas norte-americanas operam em
queda. Há pouco, o Dow Jones caía 0,09%, a 13.095,62 pontos, o S&P 500 perdia
0,12%, a 1.410,31 pontos e o Nasdaq Composto recuava 0,51%, a 2.972,61 pontos.
Para o economista da Magliano, parte da queda refletia o resultado abaixo do
esperado do índice dos gerentes de compras de atividade industrial de Chicago
(PMI, na sigla em inglês), que subiu para 49,9 pontos em outubro, abaixo de 50
pontos, ainda mostrando retração da atividade econômica.
 
Na Europa, a maioria das principais bolsas da Europa opera em alta, puxadas
pela divulgação de balanços positivos - em particular por companhias aéreas,
como a Lufthansa e a Air France-KLM. Apesar disso, dados fracos da economia
pesavam negativamente no continente. Zeno destaca a taxa de desemprego na
eurozona, que subiu para 11,6% em setembro, ante 11,5% em agosto, segundo a
agência de estatísticas Eurostat. Em setembro de 2011, a taxa estava em 10,3%.
 
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 operava em queda de 0,48%, a 5.821
pontos. O índice DAX-30, de Frankfurt, tinha avanço de 0,27%, a 7.304 pontos.
Em Paris, o CAC-40 recuava 0,06%, a 3.457 pontos. Na bolsa de Madri, o índice
Ibex-35 subia 0,45%, aos 7.869 pontos. Em Milão, o FTSE MIB avançava 0,84%,
para 15.651 pontos.

 

 

Fonte: Agência CMA

voltar

 
 
 
© 2009 AZ Investimentos - all rights reserved | desenvolvido por Client By