News - Briefing de Mercado

Bovespa sobe quase 2% com disparada da Vale e da Petrobras
27/04/2015

24 de Abril de 2015 09h29
Rennan Setti

A Petrobras volta a subir nesta sexta-feira, demonstrando a otimismo dos investidores com a publicação do seu balanço financeiro esta semana. As ações ordinárias (ON, com direito a voto) registram valorização de 5,40%, a R$ 14,82, enquanto as preferenciais (PN, sem voto) avançam 3,48%, a R$ 13,37. O bom desempenho da estatal e mais uma forte valorização dos papéis de mineração e siderurgia fazem o índice de referência Ibovespa avançar 1,72%, aos 56.644 pontos.

A Vale é o grande destaque do pregão. As ações da mineradora disparam 9% (ON) e 5,75% (PN). O papel é favorecido pela forte valorização do minério de ferro nos últimos três dias, depois que a gigante BHP Billiton resolveu cortar seus planos de expansão, levando à expectativa de que a oferta do minério tende a cair no futuro — e, por consequência, subir o preço da commodity.

O minério de ferro hoje sobe 5,5%, para US$ 57,81 a tonelada. Na semana, a alta acumulada é de 13,5%. O movimento também anima o setor de siderurgia, com a CSN avançando 2,83%, A Gerdau subindo 2,63% e a Usiminas, 2,16%. A Vale também é ajuda pela perspectiva de que o governo da China, maior consumidor do seu minério, implemente medidas de estímulo econômico para conter a desaceleração da atividade.

— O mercado está em alta generalizada. Ele estava em compasso de espera por causa do balanço da Petrobras, que se resolveu. Mas eu creio que essa recuperação repentina ainda tem certo grau de exagero, até porque a economia doméstica continua muito fraca. Em algum momento os investidores olharão os fundamentos — afrmou Ricardo Zeno, sócio-diretor da AZ Investimentos.

DÓLAR OPERA VOLÁTIL

O câmbio opera com forte volatilidade, mas segue oscilando abaixo dos R$ 3. Agora, o dólar opera em queda leve nesta sexta-feira mas se mantém abaixo dos R$ 3. O dólar comercial registra desvalorização de 0,33%, cotado a R$ 2,969 para compra e a R$ 2,971 para venda.

A moeda chegou a operar em alta pela manhã após a divulgação de dados sobre a economia americana. As encomendas de bens duráveis nos EUA cresceram 4% em março, bem acima da previsão dos analistas, que era de 0,6% segundo pesquisa da Bloomberg. Em fevereiro, o Census Bereau havia divulgado queda de 1,4%. Mas a encomenda de bens de capital não-militares, que refletem a intenção de investimento a produção, caiu 0,5%, o sétimo recuo mensal consecutivo. Analistas esperavam uma alta de 0,3% nesse segmento.

Na quinta-feira, foi a primeira vez que a divisa fechou abaixo dos R$ 3 desde 4 de março, reagindo à divulgação do balanço da Petrobras e a dados fracos da economia americana que reforçaram a aposta de que os juros dos EUA não subirão nem tão cedo.

— Deu certo a viagem do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, à Washington para conversar com a banca sobre a situação do Brasil e sobre a nota de crédito do país. Além disso, a divulgação do balanço da Petrobras foi um grande alívio para os investidores — afirmou João Medeiros, da corretora Pioneer. — O câmbio, de uma maneira geral, melhora com esse quadro. Já há gente prevendo dólar abaixo dos R$ 2,90, até R$ 2,87.

Fonte: O Globo

voltar

 
 
 
© 2009 AZ Investimentos - all rights reserved | desenvolvido por Client By